icone_download_cod_etica




CÓDIGO DE ÉTICA
que seguimos na PURANA em prol da Disciplina e do Respeito Mútuo:


Deveres do voluntário em relação ao público alvo
1. Entrega generosa do melhor de si mesmo, actuando com profissionalismo, humanidade e eficácia nas tarefas solicitadas.
2. Prestar ao público alvo uma ajuda gratuita e desinteressada sem esperar aceitar qualquer tipo de compensação material.
3. Reconhecer, respeitar e defender activamente a dignidade pessoal do público alvo, conhecendo e acatando a Declaração Universal dos Direitos Humanos.
Confidencialidade e descrição na utilização de dados
Criar um clima de respeito mútuo, evitando posturas paternalistas.
• Fomentar no público alvo o sentido de crescimento pessoal e a sua autonomia.
• Informar o público alvo de forma objectiva, tendo em conta as circunstâncias e necessidades pessoais.
• Denunciar qualquer violação dos Direitos Humanos.
4. Potencializar o desenvolvimento integral do público alvo
• Conhecer e compreender as necessidades e problemas do público alvo
• Potenciar no público alvo competências que lhe permitam ser actor do seu desenvolvimento pessoal
• Ser paciente ao esperar-se resultados das acções realizadas.

Deveres do voluntário face à Organização
1.
Conhecer e assumir, o código ético, estatutos, finalidades, programas, normas
de funcionamento e métodos de trabalho da organização
.
2. Respeitar a organização sem utilizá-la em benefício próprio:
• Confidencialidade e descrição.
• Ser responsável na utilização dos bens materiais que a organização disponibilize ao voluntário.
• Utilizar devidamente a confiança que a organização deposita no voluntário.
• Interromper a colaboração quando a organização justificadamente o solicite.
3. Comprometer-se de forma consciente, livre e responsável, cumprindo os compromissos assumidos e realizando com seriedade as tarefas propostas.
• Solicitar e participar em actividades de formação necessárias para a qualidade do serviço prestado;
Informar-se, antes de se comprometer, sobre as tarefas e responsabilidades que se assumirá e considerar se pode disponibilizar tempo e energia para tal.
No caso de pretender desistir, comunicar com antecedência suficiente para evitar prejuízos ao público alvo ou à organização
• Atitude cooperante e aberta ás indicações da organização.
4. Participar de forma criativa na Organização.
• Informar sobre as necessidades não satisfeitas do público alvo e ainda sobre as deficiências na aplicação dos programas.
• Dar conta da possível inadequação dos programas.
• Denunciar possíveis irregularidades detectadas.
5. Colaborar de forma gratuita e desinteressada.

Deveres do voluntário face aos outros voluntários
1. Respeitar a dignidade e liberdade dos outros voluntários, reconhecendo o valor do seu “saber fazer”, quer sejam da própria organização ou de outras.
Adotar uma atitude de abertura e escuta ativa face ao outro.
2. Fomentar o trabalho de equipe, potenciando uma comunicação fluida e um clima de trabalho e convivência agradável.
Fazer um intercâmbio de sugestões, ideias, propostas e experiências numa atitude de respeito mútuo com o objectivo de obter a máxima eficácia do trabalho que se leva a cabo.
Tornar claro e assumir com responsabilidade os compromissos do grupo.
3. Facilitar a integração, formação e participação de todos os voluntários, especialmente dos novos, em condições de igualdade.
• Fazer um acolhimento caloroso e sincero a quem inicia o voluntariado.
4. Promover o companheirismo para evitar a competitividade, o desejo de protagonismo, as tensões e rivalidades.
5. Criar laços de união entre voluntários das diferentes organizações.

Deveres do voluntário para com a sociedade
1. Promover a justiça social, fomentando uma cultura de solidariedade rica em valores humanos e difundindo o voluntariado.
2. Conhecer a realidade sócio-cultural, para torná-la melhor, respondendo a necessidades e intervindo em situações de injustiça.
3. Ter como referência da própria actividade a Declaração Universal dos Direitos Humanos.
4. Complementar a acção social das diferentes organizações públicas, para dar um melhor serviço à sociedade, sem que esta constitua um pretexto para que as organizações não atendam às suas responsabilidades.
• Comunicar às instituições pertinentes situações de exclusão e / ou marginalização e exigir atitudes para as combater.
5. Procurar que o voluntariado não impeça a criação de emprego.
6. Transmitir, com as suas atitudes, acções e palavras aqueles valores e ideais que pretende alcançar com o seu trabalho voluntário.
• Ser coerente com a atitude voluntária no dia a dia. 


fonte:
http://www.eticus.com/documentacao.php?tema=3&doc=246 
 

PURANA
A OSCIP da Vida  Sadia e Saudável com Música Ao Vivo!!!
Multiplicando Valores Hmanos
Florianópolis - Santa Catarina - Brasil

+55 (48) 8466 8008   
Copyright © by Azuma/Florianópolis/2010


A  PURANA agradece o Apoio de

         Violões     PATROCINE               PATROCINE            









        ESPAÇO A PATROCINADORES OBRIGADO!!!

                                                                                                                                                                                                                                                                                      PATROCINE

  Site Map